14 de setembro de 2015

Psychology Of Sex 3 (Capítulo 8)

Duas semanas depois...

A sala de espera onde estávamos era muito bem arrumada. Uma mesa de centro estava posta no meio da sala com várias revistas de Medicina, bebês, famosos, entretenimento e jornais. Eu resolvi pegar um jornal para ler enquanto Vanessa esperava olhando tudo ao redor. Eu não conseguia ler nada do que estava escrito, a ansiedade para ver a ultrassom me corroia por dentro.

- Vanessa? – ela me olhou. – Será que vai demorar muito? Eu estou ansioso demais...

- Calma, Zac. Eu não sei como funciona nada aqui. É a primeira vez que eu venho nesse hospital, eu fazia pré-natal lá perto da casa onde eu estava.

Eu balançava a perna sem parar e Vanessa estava ficando incomodada com toda essa afobação. Cinco minutos depois, uma voz mansa falou pela sala.

- Srta. Vanessa Hudgens – Vanessa levantou e sorriu, entrelaçando seus dedos nos meus. – Olá, sou a Dra. Eliza Macklain. – sorriu simpática, abrindo a porta do consultório para que a gente entrasse. – Sentem-se aqui, por gentileza. – Vanessa agradeceu ainda segurando minha mão trêmula. Ela olhou para mim sorrindo, me encorajando com o olhar. – Oh, vejo que sua barriga já está bem crescidinha, não é?

- Estou com cinco meses. E também estou grávida de gêmeos. – disse Vanessa passando a mão livre sobre a barriga já maior.

- É, estou vendo na sua ficha. – disse a médica sorrindo para Vanessa e depois começou a perguntar uma série de coisas.

A Dra. Eliza Macklain lembrava muito a Sra. Lovett, a recepcionista do hospital onde Vanessa trabalhava. Tinha um ar de mãe que acolhia a todos sem exceção. A maneira como ela falava com Vanessa mostrava o quanto ela se importava com uma grávida que aparecesse no consultório dela. Observei Vanessa e como ela sorria feliz toda vez que respondia alguma coisa sobre os bebês, o que o médico antigo havia lhe dito anteriormente, os cuidados que ela estava tomando... Era absolutamente perfeito ouvi-la falar dos nossos filhos com tanto amor e carinho como ela dizia.

- E o que o papai acha de ver os filhos agora? – Vanessa me deu um cutucão e apontou com a cabeça para a médica. – Vamos ver como os bebês estão?

- Claro! – exclamei levantando rapidamente e fazendo-as sorrir. – Eu estou ansioso para ver!
Uma enfermeira entrou com Vanessa numa porta que havia no consultório e a Dra. Macklain pousou suas mãos em minhas costas me levando para o outro lado do consultório, onde havia uma pequena sala com um armário branco, mais à frente uma maca e ao lado um monitor parecido com o de um computador onde vários fios estavam ligados. Ela puxou uma cadeira alta e colocou do lado oposto ao monitor, mas ao lado da maca de Vanessa.

- Você pode se sentar aqui, tudo bem? – ela apontou a cadeira. – Vanessa irá deitar aqui para realizar o exame. – ela sorriu simpática para mim e eu mordi o lábio inferior sentando, apreensivo, na cadeira que ela arrumara.

Esperamos Vanessa por uns minutos e logo ela apareceu usando uma capa azul, que parecia um vestido. Era abotoado em alguns pontos, porém nenhum perto o bastante da barriga. Ela sorriu para mim e com a ajuda da enfermeira, deitou-se na maca e segurou minha mão suada. Ela sussurrou um “fica tranquilo” ao ver minha expressão de nervoso e então olhei para a doutora que preparava os aparelhos.

- Prontos? – perguntou sorrindo e nós assentimos. – Com licença, querida. – ela desabotoou dois botões e então a barriga de Vanessa ficou completamente visível. – Vai sentir um friozinho, mas logo passa. – Vanessa assentiu e ela espremeu um gel incolor sobre a barriga de minha noiva e a senti apertar minha mão com força. Eu apenas observava a Dra. Macklain trabalhar enquanto Vanessa não tirava os olhos do monitor. Então pegou o aparelho de ecografia e posicionou por cima do gel espalhando por onde a barriga de Vanessa estava grande. – Olhem eles aqui. – ela apontou com o dedo o monitor onde apareceu uma imagem, que para mim era borrada de preto e cinza.

- Eu... Eu não consigo distinguir nada. – falei sem graça e elas sorriram.

- É normal, meu amor. – disse Vanessa, beijando minha mão. – Eu com cinco meses não consigo distinguir muita coisa.

- Vocês já sabem o sexo deles? – perguntou a doutora nos observando por baixo dos óculos e Vanessa negou.

- Das vezes que tentei ver, eles nunca cooperavam.

- Acho que hoje eles estão do lado de vocês então. – disse ela, sorrindo, e voltando a olhar para o monitor. – Porque hoje estou vendo o sexo dos dois.

- TÁ BRINCANDO? – exclamamos juntos e ela sorriu.

- Querem que eu diga ou preferem surpresa para a hora do parto?

- Eu gostaria de saber agora. – falei e olhei para Vanessa que tinha lágrimas nos olhos. – Pode, amor? – ela sorriu para a médica e ela olhou para o monitor retribuindo o sorriso.

- Bem, eu acho que vocês vão ter que arranjar dois quartos, sabe? Acho que o menino não vai gostar de ter cor de rosa no quarto dele. – ela disse olhando para nós e então eu entendi.
Era um menino e uma menina.

Vanessa sorria alto e chorava ao mesmo tempo enquanto eu sentia as lágrimas descerem silenciosas pelo meu rosto.

- Um casal?! – Vanessa perguntou e me olhou. – Vamos ter um casal, Zachary. Tudo o que eu queria. – disse ela beijando minha mão.

Eu olhei para a médica e ela sorria ternamente em minha direção. Logo em seguida, batidas em diferentes tons tomaram conta do ambiente e Vanessa chorou mais ainda.

- São... São eles? – perguntei e a médica assentiu. O som dos coraçõezinhos deles batiam na mesma velocidade, mas não ao mesmo tempo, o que ocasionava os sons diferentes. Então a preocupação me atingiu. Será que eles estavam realmente bem? – Eles estão bem, Dra. Macklain? Não tem nenhum perigo de, por um acaso, eles se machucarem nem nada do tipo, eu estou nerv...

- Calma, querido. – disse a doutora com a voz calma, mas divertida. – Mais bem do que eles estão, não é possível. Eles estão mais seguros do que nunca. Vanessa está cuidando muito bem deles. Mas é claro que a sua ajuda vai fazê-los ficarem cada vez melhores. – ela sorriu e depois apertou um botão na máquina do monitor. – Vocês querem uma foto? Posso imprimir uma especial agora que eles estão bem visíveis.

Eu e Vanessa concordamos rapidamente, sem delongas, e então a médica imprimiu uma foto pedindo para a enfermeira guardar em uma pasta, junto com os dados da consulta. Ainda chorando, Vanessa me beijou tão terna e apaixonadamente que eu senti como se nada no mundo me faltasse. E talvez não faltasse mesmo. Eu tinha minha mulher, meus filhos. A única coisa que tinha que acontecer para tudo ficar perfeito era o nosso casamento, que segundo o que combinamos, iria acontecer depois que os bebês nascessem.


- Vamos contar para o pessoal? – disse ela sorrindo vendo a foto da ultrassom. Estávamos voltando para casa.

- Claro. Podemos nos reunir e comemorar, afinal, você disse que era a primeira vez que eles se mostravam, não é? – perguntei olhando-a rapidamente antes de me focar na estrada.

- É. Tentei vê-los por muitas vezes. Mas eles nunca cooperavam. – e então ela segurou minha mão entrelaçando nossos dedos. – Mas eu sinceramente acho que eles estavam esperando a hora em que o pai deles ia estar presente.

- Oi? – perguntei nervoso pela afirmação dela. – Será mesmo?

- Não tenho dúvidas. Dizem que os bebês sentem quando a mãe está bem ou não... Eu acho que eles sabiam que eu estava mal. Sabiam que eu estava sentindo a sua falta. Eu chorava todos os dias, Zac. Não passava um dia em que eu não chorasse por você.

- Eu me arrependo profundamente de ter te exposto a todo esse sofrimento. – falei sentindo o coração doer, semelhante à saudade que eu sentia de Vanessa há duas semanas atrás. – Eu fui fraco e escondi a verdade o tempo todo. Eu... Eu nem sei expressar o quanto eu me arrependo.

- Você me provou de um jeito muito melhor do que palavras... Exatamente como eu queria. – ela disse sorrindo e eu a fitei. – Você enfrentou tudo para me encontrar. Pensou em mim em todos os momentos que até reuniu minhas melhores amigas. Aquele dia que elas e os meninos chegaram lá e me falaram todas aquelas coisas...

- Eu juro que não fui eu quem pedi para eles irem. – disse, antes que ela desconfiasse que eu havia ensaiado tudo. – A única pessoa que estava comigo ali era o Chace. – então eu compreendi. – MAS É CLARO! Ele que chamou todas aquelas pessoas para me ajudar! Sabe... Teve uma hora que ele saiu do carro para fazer uma ligação e ele me fez esperar quase o tempo da viagem daqui para lá...

- Eu nem tenho palavras para agradecer à eles. Eu realmente te amo, Zachary, mas naqueles tempos sombrios eu queria que você morresse, sinceramente.

- Eu posso entender. Mas não tem nada melhor do que estar bem com você de novo. – beijei sua mão.
 – Hey! Posso saber como você conseguiu os nove meses de férias e ainda mais a licença maternidade? – ela sorriu alto e mexeu no meu anel de noivado enquanto falava.

- Aquele escândalo chegou aos ouvidos do diretor do hospital. – arregalei os olhos para ela. – Não fui despedida. O Dr. Ernest Horn estava muito satisfeito com o meu trabalho no hospital. Então ele apenas pediu para que eu descansasse a cabeça e curtisse minha gravidez em paz. Isso foi um segredo nosso. Para todas as vias eu tinha sido afastada do hospital pelo período de gravidez por problemas pessoais, afinal, ele não poderia sair oferecendo vantagens às outras mulheres grávidas que trabalham por lá. Embora que eu me senti culpada, porque menti para ele. Disse que você era um namorado de fora do hospital... Mas eu não podia arriscar meu emprego dizendo que você foi meu paciente.

- Que rolo, Nessa. Desculpa... Eu nem sei o que dizer...

- Não diga nada, por favor. Apenas dirige logo para casa que eu estou louca pra ficar com você antes que todos cheguem.

Sorri dirigindo o mais depressa que pude. Ficar com Vanessa era o que eu mais queria naquele momento depois daquele dia perfeito.

+++


+++

Chegamos à reta final de POS!!!!
 Esse é o antepenúltimo capítulo da fic,meninas...
Espero que estejam se emocionando com a histórias,assim como eu!
Mil perdões por ter ficada um tempo sem postar,
mas estou em uma fase difícil da minha vida.
Espero que não fiquem zangadas comigo!!!!
Amo vocês ♥♥♥
Abaixo segue o link da fanfic da  Justaboring Day 
Sigam a fic,amores,ela é perfeita ♥♥

6 comentários:

  1. Ahaha eu ameii o capitulo, ficou simplesmente perfeitooo e não vejo a hora das crianças nascerem. Bjosss posta maisss

    ResponderExcluir
  2. Estou apaixonada por essa fic!! Mega perfeito!! Achei tão lindo a ansiedade do Zac pra ver os filhos, fiquei mega feliz por eles terem descoberto o sexo doa bebês e amei mais ainda que é casal!! Agora é segurar a ansiedade pro nascimento deles...
    Posta maiiiis...
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. OMG
    É um casal??Que fofuraaa.
    O Zac todo nervoso.
    Muitooo fofo esse capítulo.
    Ansiosa pelo próximo.
    Posta loguinho
    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Ai meu Deus que capitulo mais lindo *--*
    cada vez melhor parabéns
    super ansiosa para o próximo

    se não for pedir muito queria pedir para dar uma passadinha no meu blog to começando ainda e não tenho muita experiencia mais espero que goste :) obrigada

    tudoemfamilia-tef.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. O capítulo não poderia estar mais perfeito amiga ❤️❤️❤️ Ameei ❤️❤️❤️ Casamento Zanessa, bebês Zanessa... Nhaaaa e muito amor ❤️❤️❤️❤️ desculpa a demora por ler e comentar, mas agora estou aqui ❤️❤️ e por favor continua ❤️❤️❤️

    ResponderExcluir