23 de agosto de 2015

Psychology Of Sex 2 (Capítulo 6)

Dois meses depois...

Estava deitado em minha cama zapeando os canais da TV enquanto prendia meu celular entre meu ouvido e meu ombro. De vez em quando olhava para a porta do banheiro entreaberta para me certificar de que Melissa ainda estava tomando banho e não ia me ouvir falando ao telefone.

- Hey, lindo. – a voz de Vanessa pronunciou do outro lado da linha e eu sorri.

- Hey, amor. – sim, eu já estava começando a chama-la de amor. Ela era meu amor mesmo. – Como você está? Está melhor?

- Estou bem, só estou meio enjoada. Mas não é nada demais.

- Enjoada? Mas você não tinha melhorado da virose?

- Sim, foi há quase um mês... Não sei o que está acontecendo comigo. 

Vanessa havia ficado doente há três semanas atrás. Dizendo o médico dela, era uma virose que estava espalhada por aí e, não sei onde, Vanessa acabou pegando. O que dificultou meus encontros com ela. Eu sentia muita saudade dela e com ela doente, tudo o que eu mais queria era ficar junto dela, mas ela me proibiu de visita-la e acabar pegando também a doença. Ela havia melhorado até o início da semana, o que me deixava intrigado com os enjoos que ela alegou estar sentindo.

- Já foi ao médico? Vai que está voltando... Tem que cuidar, Nessa.

- Não precisa de médico, Zac. Eu... – ela deu um suspiro alto na linha. – Acho que sei o que é. Mas espero que não seja o que eu estou pensando.

- No que está pensando? – perguntei e quando ela foi responder eu ouvi o chuveiro ser desligado e a voz de Melissa me chamando me deixou desesperado. – Ju, eu vou ter que desligar.

- Zac, eu preciso conv...

- Eu estou com visitas aqui em casa. Eu te ligo mais tarde, ok? Tenta melhorar. Quero te ver logo. Beijos, amor.

Sem esperar sua resposta eu desliguei e senti meu coração apertar. Ela queria falar algo e eu queria ouvir. Droga. Droga de Melissa. Coloquei um travesseiro em meu rosto sentindo-me péssimo por ter desligado o telefone daquela forma.

- Amor. – a voz de Melissa me deixou enjoado e eu apenas resmunguei em resposta. – Com quem estava falando?

- Com o Chris Melissa, com o Chris. – falei entediado jogando o travesseiro para o outro lado da cama.

- Você anda falando muito com o Chris ultimamente. Chega a ser estranho. – ela disse vestindo sua camisola e se direcionando para a penteadeira. Olhei confuso para ela.

- O que você quer dizer com isso?

- Estou dizendo que você está falando muito com o Chris. – ela disse me olhando irônica. – O que você tanto conversa com aquele cara?

- Melissa, o que você quer? Espionar minhas conversas com meus amigos?

- Não. Eu apenas quero saber o porquê que você está tão distante esses meses. Quero saber o que está acontecendo entre nós dois, porque você mudou.

- Deixa de paranoia, eu não mudei em nada. – falei me levantando e indo até o banheiro jogar uma água no rosto. Eu estava mesmo mudando com Melissa, não conseguia mais disfarçar que estava gostando de outra mulher, não conseguia esconder o nojo que sentia ao beijar Melissa e transar com ela. Eu não aguentava mais a minha esposa e isso me deixava sem saída. Nunca fui bom ator e Melissa sabia muito bem disso.

- Claro que mudou, Zac. Como você diz que não? Você não me beija mais, não me toca mais...
Nunca mais conversamos sobre os filhos que nós queríamos ter... – senti um bolo se formar em minha garganta. – O que está acontecendo, Zac? – vi seu reflexo pelo espelho e ela me fitava com o semblante triste.

- Nada. – suspirei passando as mãos molhadas pelo meu rosto e passei por ela, sem dar muita atenção.

 – Eu apenas estou cansado. Estou trabalhando muito esses dias. Você sabe.

- Tira uma folga, Zachary. Você pode muito bem tirar uns três dias para descansar.

- Não dá, Melissa. As coisas na gravadora estão cada vez mais apertadas. Você sabe muito bem que gravação de CD a gente precisa estar integralmente ligado. – deitei na cama puxando o cobertor disposto a terminar qualquer tipo de assunto com Melissa e ir dormir. Senti a cama afundar ao meu lado e suspirei nervoso.

- Zac, eu queria um tempo a sós com você... Eu quero te amar de novo...

Eu sentia dó de Melissa. Eu era um péssimo marido. Mas eu não podia fazer muita coisa. Eu queria outra e não tinha como mudar isso. Mordi o lábio inferior e virei o rosto para encara-la.

- Hoje não.- ela abaixou os olhos triste. – Hoje eu não estou bem. Quero ficar quieto. Boa noite. – dei um beijo no canto de sua boca, e me virei para o outro lado disposto a dormir de vez, mas não antes de ver seu olhar me fuzilando de uma maneira que me deixaria amedrontado se eu não estivesse com tanto sono e preocupação com Vanessa.

Acordei ouvindo o toque de meu celular cada vez mais alto e irritante, cortando meus tímpanos. Rolei os olhos jogando o travesseiro para longe e pegando o aparelho com má vontade, mas me amolecendo completamente ao ver o nome de Vanessa no visor.

- Nessa? – atendi e ouvi a respiração nervosa dela do outro lado da linha.

- Zac? Zac, eu... – a voz dela estava trêmula e eu olhei para o outro lado da cama não encontrando ninguém. Suspirei aliviado, mas mesmo assim conversava baixo.

- O que houve? Está com a voz estranha.

- Eu... Eu preciso que você venha aqui no consultório. Agora.

- Agora? Aconteceu alguma coisa? – perguntei enquanto segurava o celular com o ombro e ia até o banheiro preparando a escova de dente e a pasta.

- Zac, eu não posso te falar isso por telefone. Eu preciso que você venha aqui.

- Calma, amor eu vou. Daqui a uma hora eu estou aí, tudo bem?

- Tudo. – ela fungou do outro lado. – Zac?

- Diz, linda.

- Não demora, por favor. – dizendo isso, ela fungou outra vez e eu mordi o lábio inferior.

- Já chego aí. Beijo.

O que ela teria de tão importante para me falar? E o que seria tão grave para ela estar chorando?
Deixei as perguntas de lado e passei a me arrumar com pressa. O que quer que seja, ela precisa de mim e eu vou estar lá com ela. Para o que for. Seja o que for. Eu sempre vou estar com ela.
Procurei Melissa por todos os cantos da casa e não a encontrei. Senti alívio ao ver que estava sozinho e me acalmei. Não suportaria uma bateria de perguntas enquanto estava preocupado com Vanessa.
Olhei para a dispensa da cozinha e fiz um careta. As pessoas geralmente comem quando estão ansiosas, já eu não consigo comer. Simplesmente não comi nada e logo peguei as chaves do carro saindo de casa sem demora.

Graças a Deus, o trânsito naquela tarde estava melhor, não havia congestionamento, o que me fez chegar no hospital onde Vanessa trabalhava com mais rapidez que o normal, visto a velocidade que eu dirigia o carro.

Ao chegar à recepção a mesma garota loira me olhou e com pouco caso, me avisou:

- A Dra. Hudgens já te espera.

- Hm, obrigado.

Me virei para o elevador e senti a ansiedade corroer meu corpo. Mordi o lábio inferior fortemente até que vi no visor o número 10 e logo as portas se abriram.

- Olá, querido. – a Sra. Lovett estava lendo alguma revista, mas mesmo assim me viu.

- Hey. Como vai a senhora?

- Bem e você? – assenti e olhei para o consultório de Vanessa. – Outra consulta? Ela está lá, pode ir.

- Obrigado. – falei e logo caminhei em passos rápidos até o consultório de Vanessa, abrindo a porta rapidamente. – Nessa? – o consultório estava vazio, mas logo ouvi os passos calmos de Vanessa pelo pequeno quarto até ela aparecer com o rosto inchado. – Vanessa, o que aconteceu? – cheguei mais perto dela a abraçando forte e logo ela começou a chorar.

- Zac... – seus ombros balançavam e eu não entendia o que estava acontecendo.

- O que houve, amor? Por que está chorando? Aconteceu alguma coisa?

- Eu... – ela me olhou com as lágrimas banhando seu rosto. – Eu não sei nem como te contar isso. Eu estou em choque, Zac.

- Vanessa, o que aconteceu? – ela mordeu o lábio por um momento e fitou meus olhos. Demorou alguns segundos até ela soltar a bomba que me deixou sem chão por vários minutos.

- Eu estou grávida.

Arregalei meus olhos e senti meu coração mais do que acelerado. Eu estava à beira de ter um infarto. Eu a encarava como se ela tivesse me dado a notícia de que havia virado lésbica ou que ia se mudar para o Texas e morar num trailer com Channing. Senti meus braços caírem ao lado de meu corpo e ela olhar para baixo deixando várias lágrimas caírem.

Calma, Zachary. Você deve ter ouvido errado. Ela não pode estar grávida.

- Você está brincando, certo? – eu disse sorrindo nervoso e ela me olhou séria com os lábios crispados. – Vanessa, me diz que isso é brincadeira. – falei sério e ela soltou a respiração em meu rosto.

- Eu... Estava desconfiando desde o início da semana. – ela cruzou os braços abaixo dos seios e eu continuava estático fitando-a. Não sabia o que falar. Porra, ela havia acabado de me dizer que estava grávida!. – Ontem, eu já não tinha mais dúvidas. Eu ia te contar por telefone, mas você me disse que estava com visitas e desligou, eu... Estava desesperada. – ela disse chorando e abrindo as mãos enquanto eu continuava paralisado. – Aí eu comprei o teste da farmácia. – ela tirou um bastão de dentro do bolso da calça e me mostrou. – Dois pontos querem dizer negativo e três positivo. – ela estendeu o bastão em minha direção e eu olhava do bastão para ela. – Pega.

Com as sobrancelhas unidas em confusão, nervoso, incredulidade e apreensão, eu peguei aquele bastão e olhei os três pontos azuis que estavam ali. Senti o suor descer pela minha testa e então eu fitei Vanessa com os olhos arregalados. As mãos dela estavam postadas sobre a barriga e ela ainda estava chorando, os ombros se mexiam descompassadamente enquanto ela me encarava nervosa.

- Vo-voc... Você... Hm... – eu não sabia o que dizer, eu havia perdido o dom da fala. Eu havia perdido toda a sanidade que havia em minha cabeça. Eu estava oco. – Grávida?

- Zachary, eu sinto muito... Eu não pude fazer nada! – ela se jogou no divã e começou a chorar mais forte.

Balancei a cabeça umas quatro vezes e coloquei o bastão na mesa do consultório.

- Você esqueceu de tomar pílulas?

- Não. Mas eu fiquei doente e precisei tomar remédios. Eles anulam o efeito. – ela disse com os cotovelos apoiados nas pernas e as mãos na testa enquanto chorava. – Eu não imaginava que ia engravidar.

- Droga. – falei lembrando-me de Melissa. O que eu faria agora? Agora sim minha vida havia acabado. Eu não conseguia imaginar outra forma a não ser me separar de Melissa. – Tem ideia de quanto tempo?

- Acho que quase um mês, não tenho certeza. – ela levantou o rosto pra me encarar. – Zac, não me deixa sozinha. Eu preciso de você. – ela me fitava com os olhos desesperados e então eu passei a raciocinar.

Por que, realmente, eu estava com Melissa? Eu já não sentia mais nada por ela, eu já não aguentava ouvir a voz dela, eu já não queria saber de mais nada que envolvesse ela. Então, por que eu estava com ela? Olhei aquele bastão mais uma vez e então eu comecei a enxergar a realidade. Vanessa estava grávida. Vanessa estava grávida de um bebê que era meu. Eu ia ter um bebê. Eu ia ser pai.
Eu sabia que Vanessa só tinha relações comigo e eu tinha certeza que aquele filho era meu. Um bebê agora estava dentro da barriga de Vanessa e eu não poderia abandona-la. Além de tudo, eu a amava. Durante esses dois meses em que eu passei com ela, eu soube que ela era a mulher certa para mim. Eu não podia perde-la. E agora ela estava me dando o que eu sempre quis: um filho. Um filho com a mulher que eu amo. Eu seria pai. Eu iria ser feliz. Ao lado dela e do meu bebê. Um sorriso surgiu em meu rosto. Eu já tinha por quem lutar. Eu já tinha por quem enfrentar tudo e todos quanto terminasse o casamento com Melissa. Mas agora, eu não tinha só Vanessa por quem lutar. Eu tinha um filho. E por ele eu lutaria contra quem fosse. Um riso alto se apossou de meu rosto e eu puxei Vanessa pela mão e a abracei com força.

- UM FILHO? – eu exclamei e ela me olhou confusa. – VOCÊ VAI TER UM FILHO NOSSO? EU... EU... NÃO SEI O QUE DIZER! – enchi seu rosto de beijos e ela estava paralisada.

- O que você tem, Zac?

- O QUE EU TENHO? O QUE EU TENHO É FELICIDADE. EU VOU SER PAI! NÓS VAMOS TER UM BEBÊ, NÃO É MARAVILHOSO? – beijei seus lábios e ela sorriu abraçando-me pela nuca.

- Pensei que você ia me matar. – ela disse com nossas testas juntas.

- Te matar? NUNCA! Nós teremos esse bebê, meu amor, e nos casaremos logo mais.

- Casar? – ela perguntou surpresa.

- É, casar! Vanessa, eu estou muito feliz. – eu sentia meus olhos se encherem de lágrimas e logo minhas mãos estavam na barriga dela. Meu filho estava ali dentro. – Eu... Nem sei o que dizer. – minhas lágrimas se misturaram com as dela e nós sorrimos com nossos rostos juntos.

- Eu te amo, Zachary Efron. – ela disse e eu a olhei estático. Era a primeira vez que nós nos declarávamos. Era a primeira vez que ela me dizia que me amava.

- Eu te amo, Vanessa Hudgens.
















E então eu a beijei. Beijei com todo o meu amor, tudo o que eu sentia por ela e vice-versa estavam postos naquele beijo. Eu a amava mais do que tudo. Amava Vanessa, amava o filho que ela agora carregava, a amava mais do que eu podia imaginar.

Nossas línguas se entrelaçavam com harmonia, felicidade e amor e quando eu estava levantando sua blusa para retira-la de seu corpo, a porta do consultório escancarou nos assustando e me deixando extremamente desesperado ao encarar a figura que eu menos queria ver aquela hora.

+++


+++

Oi,oi gente!!! 
Aqui está o penúltimo capítulo da 2ª temporada de POS!!!
Espero que tenham gostado.
Muitas emoções estão por vir. Vocês não podem perder.
E antes que eu me esqueça..Peço encarecidamente que orem pelo Greg.
Vanessa revelou que ele está com câncer,e gente...Isso é muito triste.
Vamos fazer uma corrente de orações para que ele se recupere.
Amo vocês!!!

5 comentários:

  1. OMG!! Mega feliz pelo Zac ter aceitado o bebê... E mega curiosa pra saber quem invadiu e estragou esse momento fofo deles!!! Aí meu coração... Mega ansiosa pro próximo capítulo!!!
    Estou todos os dias rezando pelo pai da Vanessa peço todos os dias pra que ele se recupere!!!
    Beijooos...

    ResponderExcluir
  2. Eu sabia que isso ia acontecer.
    Droga, Zac.
    A Melissa que apareceu né?
    Oh, shit.
    Agora o Zac está lascado. Não sei porque ele não deu um pé na bunda da Melissa antes.
    A Vanessa vai ficar grilada.
    Ansiosa pelo próximo.
    Posta loguinho
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. A vaca da Melissa trabalha no hospital né? Mds! Que linda Nessinha gravida ❤️ Ela vai natar o Zac, mais espero que supere isso ❤️

    ResponderExcluir
  4. Foi a Melissa q apareceu eu sinto q foi ela e ah meu deus um filho q emocao ro mwga feliz mas o zac tinha q ter acabado com a vaca da Melissa sinto q ta bem perto da Nessa saber q ele e casado e tava traindo a mulher e ela vai ficar furiosa com ele mas espero q ela o perdoe posta mais
    Xoxo

    ResponderExcluir
  5. Aaahh eu tenho uma certa suspeita que essa pessoa que invadiu a sala é a Melissa, e estou mega ansiosa pela reação da Vane ao descobrir que ok Zac é casado. Ameiiii a Vane gravida que lindo gente o zac todo carinhoso. Posta mais por favor e urgentes e estou mega ansiosa pelo próximo capítulo

    ResponderExcluir