9 de agosto de 2015

Psychology Of Sex 2 (Capítulo 3)

Mirei minha atenção a uma abertura improvisada que eu tinha perto da marcha do carro e de lá tirei minha aliança que estava envolta em um lenço branco. Coloquei aquele pequeno objeto na palma de minha mão e o encarei. Eu sabia que estava me metendo em um buraco cada vez mais fundo, mas eu não podia deixar de me encontrar com Vanessa por causa de Melissa, mas também não queria terminar meu casamento por apenas estar novamente desejando uma mulher da maneira certa. Lembrei-me de Vanessa e seu sorriso e logo o sentimento em meu coração me fez frear a imagem de minha psicóloga de minha mente. Eu não podia me apaixonar por Vanessa, não com meus problemas e com toda a confusão que eu estava envolvido. E o mais importante: não poderia deixa-la se apaixonar por mim. Eu não me perdoaria se eu a machucasse e/ou a visse sofrendo por minha causa.

Coloquei a aliança em meu dedo anelar e apertei minha mão em punho. Deixando de lado todo o encantamento por Vanessa e toda aquela noite, eu segui em rumo à minha casa para voltar a viver minha vida monótona ao lado de Melissa. Bufei alto acelerando a velocidade enquanto me lembrava de Melissa e de como eu teria que enrola-la para ela não me encher de perguntas e eu acabar me esquecendo de tudo e terminar essa merda de casamento. Eu não queria me desfazer do toque de Vanessa, mas para o meu próprio bem eu teria que relevar isto. Soquei o volante com força enquanto avistava minha rua cada vez mais próxima. 

Estacionei o carro dentro da garagem depois de ver a luz da sala acesa e me conformar que Mel estaria em casa. Passei a mão no rosto e nos cabelos mais uma vez tentando me recompor e olhei meu pescoço no retrovisor do carro procurando alguma marca roxa que graças a Deus não havia. Passei o nariz por minha camisa e pude sentir um pouco do perfume doce de Vanessa impregnado ali. Não iria lavar aquela blusa tão cedo, mas teria que escondê-la muito bem. 

Agradeci mentalmente por às vezes deixar algumas camisas largadas no porta malas do carro. Sorri comigo mesmo enquanto desabotoava a camisa roxa para colocar uma preta. Enquanto trancava o carro e acionava o alarme, eu ainda sentia o cheiro do perfume em mim. Você é burro mesmo, Efron. O cheiro estava na camisa, logo estaria em mim. Abri o carro mais uma vez procurando alguma colônia para disfarçar o cheiro, mas antes que eu pudesse sequer ao menos procurar, ouvi a voz melosa de Melissa falar pela porta da garagem que levava à cozinha.

- Zachary? É você? – Não, é o Batman. – Por que demorou? – Tava demorando com as perguntas.
- Eu te disse que demoraria, Mel. Estava resolvendo assuntos com a empresa de discos. Poderemos conseguir um contrato em breve. – falei enquanto ia para perto dela que me deu um selinho. Fiz cara de nojo sem que ela visse e logo entrei para dentro da casa. Se eu iria mentir, teria que mentir direito.

- Sério amor? Mas que coisa boa. Eu sei que você vai conseguir, é o melhor de todos aqueles babacas que você chama de amigos. – ela disse falando com certa repulsa e eu lhe lancei um olhar repreendedor. É fato inegável que meus amigos não gostam de Melissa, mas também é fato inegável que o sentimento é recíproco. Antes era difícil ter que me dividir entre minha esposa e meus amigos, mas agora... Eu teria que me dividir entre minha esposa, meus amigos e Vanessa.

- Sabe que eu não gosto quando fala mal dos caras. Eles são como irmãos para mim, Mel, e eu não aceito que voc... – ela me interrompeu com um beijo inesperado e mesmo que eu não quisesse, tive que retribuir, segurando sua cintura com as mãos. 

- Vamos parar de falar dos seus amigos quando temos o que comemorar, afinal você vai conseguir um contrato com uma gravadora, não é? E quanto tempo faz que a gente não transa? 
– ela disse mordendo meu lábio inferior e senti a mesma imponência que sentia quando eu broxava com ela. Não, eu não poderia broxar. Então, eu teria que fazer de um jeito diferente. 

Sorri malicioso em sua direção começando a beija-la, mas imaginando Vanessa em seu lugar. Por que não transar pensando em Vanessa? Apertei a bunda relativamente pequena de Melissa, mas com um pouco de esforço conseguia sentir claramente a maciez do traseiro de minha psicóloga e logo me senti excitado para consumar mais uma sessão de sexo, mesmo que seja com minha esposa.

~*~*~*~*~*~*~*~

- Então elas aceitaram ir à festa com a gente? – perguntei enquanto estava sentado no divã do consultório fitando Vanessa que estava sorrindo para mim. Ela assentiu mordendo o lábio inferior e vindo em minha direção. Segurei sua cintura assim que ela chegou a mim e logo suas pernas estavam uma de cada lado do meu corpo e seu quadril sentado perfeitamente em meu colo.

- Eu tive que insistir muito, sabe? – ela disse sussurrando em meu ouvido e eu apertei sua cintura com mais força. – Mas o que eu não faço por você? Faço muita coisa, na verdade. – ela depositou um beijo em minha bochecha e eu desci minhas mãos apertando sua bunda volumosa.

- É mesmo? – dei um chupão em seu pescoço e ela sorriu alto. – Então por que não me conta o que você faz por mim? Melhor... Por que não me mostra?

Ela sorriu e logo seus lábios estavam sobre os meus, nossas línguas entrelaçadas e as mãos correndo soltas pelo corpo um do outro. Nos beijávamos calmamente, explorando nossos gostos, os cantos de nossas bocas e sentindo o sabor de nosso beijo. E mais uma vez eu estava envolvendo sentimentos confusos naquele beijo. Eu estava ficando cada vez mais preso à Vanessa e isso me deixava com um resquício de medo. Eu não podia me envolver, não podia. Não podia me encantar por Vanessa e sua personalidade única e pelo seu corpo extremamente sexy e surreal. Não poderia deixa-la se apaixonar por mim, pois sei que ela iria sofrer. E eu também iria sofrer.

Mas e se eu dissesse que não estava mais me importando tanto com regras e impedimentos?

E se eu dissesse que eu estava querendo me envolver mesmo sabendo que era errado?

Eu já me envolvi nisso porque quis e é errado, mas foi esse errado que me trouxe a experiência mais foda da minha vida. Foi esse errado que me fez um homem novamente. Foi esse errado que me fez conhecer a mulher da minha vida. Sim, Vanessa é a mulher da minha vida e não há dúvidas disso.

Eu estou me deixando envolver por ela e apenas repito na mente que não é certo, que vamos nos machucar, mas não faço nada com esforço para frear esse sentimento. Eu apenas queria sentir e deixar ser levado. Era tudo o que eu queria.

Senti a boca úmida de Vanessa beijar meu pescoço e morder a pele sensível fazendo-a escorregar por entre seus dentes. Ela sorriu e eu apertei sua cintura, beijando seus cabelos cheirosos e sentindo meu coração acelerar. Eu já sabia o que aquilo significava, mas ao sentir Vanessa descer os beijos por meu peito ainda coberto pela camisa pólo, eu perdi o raciocínio completamente e fechei os olhos apenas esperando por mais uma de suas habilidades extremamente excitantes.

Ela mordeu levemente minha coxa, chupando em seguida fazendo com que o tecido da calça jeans ficasse levemente molhado. Passei meus dedos pelo seu cabelo colocando-os para trás e recebi um sorriso como resposta. Olhei para ela com meu coração ainda acelerado e logo suas mãos se pousaram no botão da calça. Sem delongas, desceu o zíper distribuindo beijos no cós da boxer que protegia meu pênis excitado. A língua fervente dela fazia rastros de saliva sobre meu baixo ventre eu soltei um gemido. Ela abaixou a boxer com os dentes e deu beijos espalhados pela extensão de meu pau, que à essa hora latejava expondo as veias nervosas.

- Não me canso de te chupar, Zac. – ela disse pegando levemente meu pau pela base e dando um chupão forte na glande me fazendo arquear as costas.

- Chupa, gostosa. Chupa tudo. – ela mordeu levemente a pele sensível da glande e abocanhou mais uma vez alternando a velocidade dos chupões.

Meus pelos se eriçaram e o som de sua boca chupando meu pau me deixou maluco. Agarrei seus cabelos forçando sua cabeça para chupar-me por inteiro, mas ela forçava pelo sentido contrário. Ainda com meu pênis na boca, me lançou um olhar feio e eu me senti queimar pela imagem excitante que era ter ela com meu pau na boca. Joguei a cabeça para trás e apenas fazia carinho em sua cabeça enquanto sentia ela largar meu pênis apenas para cuspir na glande e chupar novamente.

Fazia movimentos de baixo para cima com uma mão e com a outra acariciava com as unhas grandes meus testículos que estavam grandes e expostos em veias. Logo ela abocanhou meu pau por completo e ao sentir o calor de sua boca sobre mim, gemi mais alto. Ela chupava com força movendo a cabeça rapidamente em direção ao meu pau e logo ela relaxou a garganta deixando-me entrar completamente em sua boca. Ela voltava a fazer os mesmos movimentos e instintivamente mexia meu quadril no intuito de foder sua boca. Via meu pau entrar e sair daquela cavidade deliciosa que eu amava beijar, e ela fechava os olhos enquanto me sentia comer sua boca tão gostoso que um gemido foi abafado pela velocidade que meu pau entrava e saía.

Senti uma queimação me envolver no ventre e se acentuar em minha região íntima. Gemi ainda mais alto sentindo o orgasmo tão próximo que quase podia toca-lo. Quando Vanessa cuspiu em meu pau mais uma vez voltando a dar um chupão relativamente forte e o gozo atingir a metade de meu pau pronto para sair para fora, batidas na porta foram ouvidas.

- Dra. Hudgens?

Ela largou meu pênis e me olhou com os olhos arregalados. Sua boca estava completamente vermelha e aberta em surpresa, mas a minha expressão era a melhor. Não saberia definir o tamanho da minha frustração.

- Pois não? – ela respondeu alto ainda segurando meu pênis, estática. Eu permanecia duro como pedra, sentindo o nervoso começar a me atingir.

- O próximo paciente já chegou. A consulta já deveria ter começado há cinco muitos. Zachary está bem? – a voz da Sra. Lovett reverberava pelo lado de fora e eu nunca senti tanto ódio na minha vida. Eu deveria me acalmar e me lembrar que eu gostava bastante da Sra. Lovett para não manda-la ir para o inferno.

- Está sim, Sra. Lovett. Nós nos atrasamos. Diga para o paciente que em três minutos irei atende-lo.

Logo depois que os passos do outro lado da porta diminuíram de velocidade, Vanessa saiu de cima de mim suspirando alto e passando a mão pelo cabelo embaraçado.

- Zac, desculpa. Não podemos continuar.

- Vanessa! Você não vai me deixar ir pra casa de pau duro né, por favor! – exclamei colocando meu pênis para dentro da calça e olhando-a nervoso.

- Eu... Sinto muito, não dá para continuar. Tem pacientes me esperando do lado de fora. – ela passou a mão pelo meu rosto e eu a afastei. – Zachary, não faz assim.

- Você não tem noção do quanto eu estou frustrado agora.

- Eu sei, acredite, eu também estou. Eu... – ela mordeu o lábio inferior e a expressão em seu rosto ficou triste.

- Pequena, tá tudo bem. É seu trabalho, eu que atrapalhei.

- Não! Você não me atrapalha em nada. Eu deveria ter visto a hora, a culpa foi minha e... – a interrompi colocando meus lábios sobre os dela, beijando-a levemente.

- Não tem problema. – falei encostando nossas testas. – Sábado teremos tempo para compensar isso. Você vai ter que me prometer que vai ficar comigo depois da festa.

- Eu prometo. – ela envolveu meu pescoço e logo me beijava com vontade. Mais uma vez senti o coração acelerar e ali tive certeza que eu estava envolvido.

Vanessa Hudgens agora era, oficialmente, a dona do coração de Zachary Efron.

- Nos vemos no sábado. – ela disse após finalizar o beijo. Dei um selinho nela e ela sorriu.

- Nos vemos no sábado.

Dei mais um beijo nela e abri a porta do consultório sentindo meu coração acelerar.
Sim, eu estava apaixonado pela minha psicóloga. E não, não sabia o que seria de mim agora.
Só sabia que eu estava ferrado.

+++

+++

Aqui está mais um capítulo de POS 2.
 Espero que gostem.
Bom... Não vou falar muito hoje,por que não estou bem esses dias...
Então é isso. Só queria desejar um feliz dia dos pais para os pais de vocês. 
Que Deus abençoe eles sempre e que eles sejam sempre os melhores.
Amo vocês,xoxo 


6 comentários:

  1. Rafaaaaa eu to cada vez mais viciada e curiosa nessa fic! Pelo amor amooo demais ❤️ Continuaaaa bjooo

    ResponderExcluir
  2. Amando a fic cada vez mais
    Posta logo ;)

    ResponderExcluir
  3. O Zac ta mesmo muito ferrado!!
    Amando cada vez mais...
    Espero q melhore independente do q esteja sentindo, e feliz dia dos pais pro seu pai também!!
    Espero q possa postar mais em breve...
    Xoxo

    ResponderExcluir
  4. Não sei prq mas to sentindo que pode vir grandes surpresas nessa festa. Bjosss posta logo to amando a fic

    ResponderExcluir
  5. OMG. O Zac tá muito ferrado.
    A Vanessa vai ficar mega chateada quando descobrir a verdade.
    Eles quase foram pegos, coitados. Kkkkkk
    O capítulo ficou incrível e a história está cada vez mais emocionante.
    Posta loguinho e melhoras, flor.
    Bjos

    ResponderExcluir
  6. Fic super hiper mega ,posta mais ,bjs bjs

    ResponderExcluir