3 de agosto de 2015

Psychology Of Sex 2 (Capítulo 1)

- Acha que essa roupa está boa? – perguntei à Chris enquanto eu estava em frente ao espelho ajeitando as mangas da camisa social roxa que eu usava. – Ou acha que eu deva trocar pela xadrez?
Chris rolou os olhos e me olhou com cara de tédio.

- Sério que eu pareço uma consultora de moda? Porque eu acho que você está pensando exatamente isso, não é? – ele falou com os olhos semicerrados. Rolei os olhos e bufei. Chris tinha uma bipolaridade impressionante.

- Se não quiser me ajudar, então fique calado. Deixa que eu me viro. – falei indiferente enquanto me olhava. É, eu iria com a camisa roxa. Pra quê me arrumar devidamente se de qualquer maneira minhas roupas estariam todas no chão mais tarde?

- O que você falou pra Melissa? Pensei que fosse difícil dizer que iria sair sem que ela ficasse fungando no seu pé...

- E foi difícil. Ela insistiu que queria ir junto comigo. Mas arranjei um jeito para deixa-la quieta. – respondi enquanto arrumava meus sapatos.

- Acha que a médica irá? – ele perguntou mordendo o lábio inferior. Encarei-o com o olhar confuso e esperei que ele continuasse. – Tipo, será que pra ela não foi só uma tarde de sexo?

- Eu espero que não. Ela me disse ao telefone que ia. Confio nela. Mas se ela não for, não respondo por mim quando vê-la novamente. – Chris me olhou assustado e eu sorri para ele. Sério que ele não percebeu o duplo sentido? – Ela vai me pagar com sexo. E dos bons. – falei piscando o olho para ele que sorriu maliciosamente em minha direção.

- Eu sempre soube que você não era homem de uma mulher só.

- Agora eu sou, cara. – me joguei em minha cama olhando para o teto. – Agora eu sou. – sorri sozinho e meu pensamento se voltou à minha “amante” peituda que, eu esperava, estava se arrumando para me encontrar logo menos.

Iria leva-la a um restaurante novo no centro da cidade e estava ansioso para vê-la novamente. Lembrar do nosso “fim de tarde” naquele hospital me deixava louco.

- Eu não consigo acreditar que ela seja tão gostosa assim. – Chris disse enquanto sentava-se no sofá perto de minha cama. – E pensar que fui eu quem te indiquei aquele hospital e o psicólogo, que no caso era essa garota.

- Pois é, chapa. Você é meu herói. – virei meu olhar para ele que fitava o chão inconformado. – Sabe que agora eu faria tudo por você, não é?

- Inclusive um ménage? – ele voltou seus olhos maliciosos para
 mim e eu o censurei mandando o dedo. Ele sorriu alto. – Afinal, era pra essa garota ser minha.

- Tudo menos isso, idiota. – falei sério. – Até parece que vou dividir minha garota com outro homem na cama. Nem morto. E ela não iria ser sua de jeito nenhum. – falei enfezado.

Chris bufou e depois de me chamar de gay umas três ou quatro vezes, meu relógio tocou anunciando que eu deveria buscar Vanessa. Preciso dizer que senti um frio na barriga? Faltavam apenas poucos minutos para eu vê-la novamente, dude!

- Vai lá margarida. Sua garota deve estar te esperando. – pisquei para Chris e disquei os números que durante essa semana foram completamente gravados em minha mente.

- Vanessa? – perguntei logo após uma voz feminina atender o telefone.

- Hey Zac! – ela respondeu alegre. Sorri.

- Já está pronta? Posso passar aí?

- Claro. Estarei te esperando na portaria.



Nos despedimos e logo levantei da cama, dando mais uma ajeitada no cabelo e descendo as escadas com Chris em meu encalço.

- Não se esqueça de convidá-la para aquela festa de sexta. Melhor do que ir com a Melissa.

- Chris... – falei segurando-o pelos ombros. – Tudo é melhor sem a Melissa. – dei dois tapinhas em seu rosto.

- Vai lá garanhão... Pega a médica de jeito! – sorri acenando com a mão enquanto ele entrava dentro do carro e ia para casa. Enquanto eu... Ia para a minha psicóloga.


~*~*~*~*~*~*~*~*

Olhei mais uma vez o endereço escrito em uma folha de papel e logo avistei o prédio enorme, que supostamente, Vanessa morava. Conferi mais uma vez o número antes de estacionar o carro e descer do mesmo. Olhei a entrada do prédio e poxa... Vanessa morava em um daqueles prédios que só gente rica mora. A entrada do prédio era cercada por um jardim bem cuidado, com um pequeno chafariz perto da porta de entrada. As janelas dos apartamentos pareciam ser vidros azuis, os mesmos tinham varandas enormes e dava para ver que os apartamentos provavelmente ocupariam um andar inteiro. Parei em frente a portaria e não a vi em lugar algum. Apenas vi o segurança me olhando com uma cara estranha.

- Desculpa... Erm... Eu estou procurando por Vanessa Hudgens... O senhor sabe... – antes que eu completasse a pergunta, a porta da entrada se abriu revelando aquele corpo que não havia saído dos meus sonhos nem uma vez por essa semana. Vanessa sorriu minimamente e ao passar pelo segurança ganhou um olhar nada adequado do mesmo. Olhei aquele cara atrevido e logo Vanessa estava em minha frente. Passei o braço por sua cintura abraçando-a e levando-a até o carro.

- Olá, querido paciente. – ela sussurrou em meu ouvido assim que chegamos ao carro. Me virei para ela olhando-a por inteiro sorrindo malicioso. Ela usava um vestido vermelho justo que ia até as suas coxas, as alças do mesmo faziam uma volta em seu pescoço e se uniam na frente de seus seios, mas não conseguiam tampar a fenda que se contrastava ainda mais por causa do aperto que os envolviam. Seus pés estavam vestidos por um sapato de verniz preto. Os cabelos castanhos estavam lisos e batiam até o meio de sua bunda, os olhos pintados gentilmente por um delineador preto e os lábios cobertos por um vermelho delicado. Estava mais linda do que eu imaginei.

- Olá doutora. – falei puxando-a para mim fazendo com que seu corpo batesse no meu. – Estava morrendo de saudades. – agarrei seu lábio inferior com os dentes e logo senti sua língua moldando o meu superior. Mordi sua língua levemente encostando a minha fora de nossas bocas. Logo depois senti seus lábios se moldarem aos meus e então iniciamos mais um de nossos beijos eletrizantes. Nossas línguas explorando a boca um do outro, desenhando formas abstratas enquanto as mãos de Vanessa puxavam grosseiramente os meus cabelos da nuca e eu apertava seus quadris com a real intenção de apertar sua bunda. Tenho certeza que o que era pra ser um beijo de cumprimento, aos olhos de muitas pessoas estava se passando por uma falta de vergonha, então, como se tivesse o mesmo pensamento, Vanessa separou o beijo puxando meu lábio inferior. Sorri e dei um selinho demorado nela levando-a para o banco do passageiro. Ela sorriu agradecendo e sentou-se esperando que eu desse a volta e sentasse no lado do motorista.

Ao entrar no carro, senti o olhar do segurança do prédio em mim e sorri sozinho. Dava para sentir a inveja daqui.

- Acho que o segurança do seu prédio não me curtiu muito. Acho que na verdade, ele curte te curte bastante. – falei enquanto colocava o cinto e girava a chave na ignição. Ela sorriu alto colocando a mão na minha coxa, perto demais do volume que teimava em querer aparecer.

- Sério que você quer falar do segurança do meu prédio? – ela me fitou com a sobrancelha arqueada de uma forma sexy e eu sorri negando. – Se incomoda se eu ligar o rádio? – dei de ombros ainda olhando as ruas à minha frente.

- Tem um CD com uma playlist aí no porta-luvas. – indiquei o porta-luvas e ela abriu prontamente. Mexeu em algumas coisas e logo retirou o CD que eu havia dito. Olhou na frente e depois atrás, onde havia a lista de músicas e ficou um bom tempo lendo. Olhei-a de rabo de olho enquanto a mesma estava concentrada demais tentando entender a letra embaraçosa de Alex. Pois é, eu havia pedido para o meu querido amigo fazer uma playlist legal para mim, que não fosse músicas da nossa banda.

- Wow! – ela exclamou. – Guns, Nirvana, Metallica, Aerosmith... Só banda boa. Não sabia que tinha bom gosto, Efron. – ele sorriu inquisidora para mim. Olhei para ela sorrindo maliciosamente.

- Eu sou do tipo que gosta de surpreender. – falei convencido enquanto fazia uma curva pelas ruas estreitas. Vanessa observava minhas mãos sobre o volante e até quando eu mudava a marcha do carro, sentia o olhar dela me queimando. Observava-a de vez em quando e vi que ela me olhava descaradamente enquanto apertava a capa do CD com força. – O que foi? – perguntei quando a vi morder o lábio inferior.

- Ahn... Nada. – ela disse corrigindo rapidamente a postura e virando para frente. Sorri pelo nariz e continuei a prestar atenção na rua que ficava cada vez mais movimentada.

O silêncio confortável se instaurou dentro do carro, mas eu sentia o olhar de Vanessa sobre mim. Minha psicóloga estava pensando em alguma coisa que até tinha esquecido de colocar o CD para tocar. Nem precisei alerta-la desse deslize, pois logo chegamos ao restaurante.

Entreguei a chave para o manobrista enquanto saía do carro e logo abria a porta para a minha garota. Sim, minha garota. Aquela mulher havia se tornado, definitivamente, a minha garota e eu não me envergonho de dizer isto. Dei um selinho nela e abracei-a pela cintura enquanto a guiava para dentro do restaurante. Eu deveria me lembrar de NUNCA, em hipótese alguma, trazer Melissa aqui. Falando em Melissa, a minha querida aliança estava muito bem guardada num compartimento secreto do meu carro. Nem Melissa, nem os dudes e muito menos Vanessa iriam encontrar aquele pequeno probleminha dourado. Fui até a recepcionista perguntar sobre a reserva em meu nome e a mesma sorriu largamente para mim. Recepcionistas e suas quedas pelo gostosão aqui.

- Qual o seu nome, por favor? – ela perguntou sensualmente e eu a olhei estranho medindo-a e comprovando mais uma vez que Vanessa era a garota mais gostosa com quem eu já havia saído. Vanessa arqueou a sobrancelha olhando-a com os olhos levemente arregalados.

- Zachary Efron. – falei normalmente enquanto sentia Vanessa apertar minha cintura com um pouco de força. Olhei para ela sorrindo e a vi olhando feio para a garota ruiva.

- Mesa 09. Por favor, eu o acompanho. – sim, ela disse no singular. Vanessa riu ironicamente, mas a ruiva não escutou. Balançando a cabeça negativamente, minha psicóloga saiu de meu abraço e passou em minha frente logo sentando-se na mesa e eu sorri. Sério que ela estava com ciúmes? – Bom jantar. – falou piscando para mim e ia se retirar se não ouvisse a voz firme de Vanessa.

- Querida? Com licença... – falou em um tom doce que não parecia falso, mas eu sabia que era.

- Sim? – a ruiva olhou-a com a sobrancelha arqueada. Temi que elas discutissem logo ali, pois o olhar que ambas lançavam uma para a outra era de arrepiar.

- Já que fez a gentileza de nos acompanhar até a nossa mesa, aproveite e traga o cardápio e duas taças de champanhe, por favor.

- Eu não sou a garç...

- E traga gelo também. E se puder coloque morango no champanhe, você não tem ideia de como o meu namorado gosta dessa combinação. – sorriu irônica para a garota que eu podia sentir que espumava de raiva. Mordia os lábios para colocar o riso para dentro enquanto a ruiva saía batendo o pé. Não aguentei e sorri mais alto. Mas, não posso deixar de dizer que ela me chamar de namorado me fez ficar empolgado.

- Sério que isso foi ciúme? Sabe que eu não olharia pr’aquela ruiva com você aqui, não é? – falei ainda rindo de sua bobagem.

- Não sei não, Zac. Você não me exala essa confiança toda. – ela falou emburrada e logo a ruiva trouxe as taças de champanhe, acompanhada de uma bandeja pequena de morangos. Pegou o cardápio da mesa ao lado e colocou na frente de Vanessa. – Obrigada, querida. Qualquer coisa eu te chamo de novo, ok? Bye. – falou enquanto a ruiva saía sem dizer uma palavra. Sorri pegando o cardápio que estava na frente dela.
















+++


+++

Olá amores!!!
 Espero que tenham gostado do primeiro capítulo da segunda parte de POF
A fic ainda promete muitas emoções. 
Não percam o novo capítulo amanhã!!! 
Amo vocês e até mais, xoxo


4 comentários:

  1. Ai que tudo o eu amei a Vane com ciúmes do Zac. E estou ate imaginando a confuso que não vai ser quando ela descobrir que o Zac é casado. Bjossss to amando a fic posta loggo

    ResponderExcluir
  2. Amei o capítulo
    Os dois juntos são sexys demais

    ResponderExcluir
  3. Ai q lindo a Vane com ciumes do Zac por falar nele o Zac tem q se divorciar logo da Melissa antes q a Vanessa fique sabendo q ele e casado e se separar dele to amando a fic
    Xoxo

    ResponderExcluir
  4. Já to ansiosa pro próximo capítulo... A Vanessa foi demais, bem feito pra mulher quem mandou da em cima do "paciente" dela... Foi lindo vendo ela com ciúmes haha
    Posta mais...
    Xoxo

    ResponderExcluir